As pessoas tendem a pensar que é melhor ter menos pesquisas com maior qualidade, mas na verdade é a grande quantidade de pesquisadores que eventualmente permite o surgimento de pesquisas melhores e de mais impacto. Isso parece fazer um sentido óbvio em termos individuais, mas faz ainda mais quando pensamos coletivamente. É frustrante para o nosso ego, mas a verdade é que com frequência a fragilidade das nossas pesquisas irá gerar uma melhoria do grupo - em detrimento do indivíduo. Trabalho com pesquisa no ensino profissionalizante, e só recentemente - graças às reflexões que você propõe - comecei a entender qual é o meu papel nessa engrenagem. Em tempo, lerei em breve o livro do Kuhn. Obrigado pela partilha!

Quando sonho às vezes me lembro de como voar.