Por que errar é fundamental para o crescimento nos estudos e na vida?

Quem nunca teve medo de parecer estúpido?

Eu sei. Se sentir estúpido não é algo bacana. É uma agressão ao nosso ego, principalmente quando existe uma exposição pública envolvida. Mas e se — paradoxalmente — a maneira mais efetiva de crescer em conhecimentos e habilidades seja estar disposto a passar pela dor emocional de ser — ainda que brevemente — estúpido?

Eu já vi isso nos filmes da Marvel…

Alguém que é completamente comum é exposto a um evento excepcional e irreplicável, e isso dá a ela poderes extraordinários (e grandes responsabilidades). Ou ainda, alguém que simplesmente nasceu superpoderosa e veio de outro planeta para a Terra onde pode praticar seus talentos inatos e proteger as pessoas comuns com seus poderes sobre-humanos.

Uma ideia sugerida pelo escritor Malcolm Gladwell é que as pessoas dão mais valor aos dotes naturais do que à capacidade adquirida pelo esforço. Vivemos uma era onde, paradoxalmente, as pessoas tendem a acreditar no mérito individual e no autoaperfeiçoamento, mas no fundo reverenciam mais o talento nato (como super-heróis privilegiados pela genética). A idolatria de pessoas que simplesmente nasceram extraordinariamente diferentes.

Mas você já viu uma pessoa sarada e pensou: “Nossa, essa pessoa nasceu muito musculosa! Queria ter nascido assim!”?

Possivelmente ninguém costuma fazer esse raciocínio. Talvez porque a dotação física seja algo mais tangível do que a dotação intelectual. Ao vermos uma pessoa sarada, a tendência natural é imaginarmos que essa pessoa deve levar uma dura rotina de alimentação e exercícios. Ainda que existam pessoas com diferentes propensões físicas, há uma relação mais clara — no imaginário popular — entre resultado e esforço.

Agora, de volta ao mundo real…

Nós todos possuímos talentos. E todos possuímos dúvidas sobre qual a melhor maneira de desenvolver esses potenciais. E foi me questionando muito sobre essas coisas que me deparei com a autora Carol S. Dweck. E ela formulou algo que fez total sentido para mim. As pessoas se caracterizam por duas mentalidades (mindsets):

Características das pessoas com mindset fixo:

  • Estão sempre em busca de uma confirmação da sua inteligência.
  • Têm urgência para serem bem-sucedidos.
  • Temem o desafio e desvalorizam o esforço.
  • Têm crença em qualidades imutáveis.
  • Preferem relacionar-se com pessoas que homologam suas qualidades permanentes.
  • Sentem-se inteligentes quando fazem algo com facilidade ou perfeição.

Características das pessoas com mindset de crescimento:

  • São movidas pela experiência da descoberta nos desafios que as permitem prosperar.
  • São orientadas ao aprendizado como prioridade, compromisso em desenvolver-se.
  • Têm crença de que suas qualidades são suscetíveis de serem cultivadas.
  • Buscam a perseverância e antifragilidade.
  • Preferem relacionar-se com pessoas que a estimulam a novos desafios.
  • Sentem-se inteligentes quando fazem algo que não eram capazes de fazer antes.
  • Entendem que vir a ser, é melhor do que ser.

Que tipo de pessoa é você na fila do pão?

Pessoa A

  1. Sua inteligência é algo muito pessoal, e você não pode transformá-la demais.
  2. Você é capaz de aprender coisas novas, mas, na verdade, não pode mudar seu nível de inteligência.
  3. Você é certo tipo de pessoa, e não há muito o que se possa fazer para mudar esse fato.
  4. Você pode fazer as coisas de maneira diferente, mas a essência daquilo que você é não pode ser realmente modificada.

Pessoa B

  1. Sua inteligência é algo muito pessoal, mas você sempre pode transformá-la demais.
  2. Você é capaz de aprender coisas novas, e, na verdade, sempre pode mudar seu nível de inteligência.
  3. Você é certo tipo de pessoa, mas sempre há muito o que se possa fazer para mudar esse fato.
  4. Você pode fazer as coisas de maneira diferente, e a essência daquilo que você é sempre pode ser realmente modificada.

“Você tem uma escolha. Os mindsets nada mais são do que crenças. São crenças poderosas, mas são apenas algo que está em sua mente, e você pode mudar sua mente”

- Carol S. Dweck

Quando você se sente inteligente: quando é perfeito ou quando está aprendendo?

Pessoas com o mindset fixo tendem a atribuir a culpa a fatores externos depois de um fracasso, seja alguém, algum evento, ou mesmo ao simples azar. Terceirizam o protagonismo a fatores que estão completamente fora do seu controle. E ironicamente, é na negação dos próprios erros que deixamos de crescer com eles.

Pessoas com o mindset de crescimento acreditam que o fracasso é indicativo para: tentar com mais esforço e/ou tentar com novas estratégias. Entendem que o resultado está majoritariamente ao alcance das coisas que estão totalmente — ou pelo menos parcialmente — sob o seu controle. Veem fracasso (ou erros) como a mais rica fonte de informação de que se pode dispor para o aperfeiçoamento dos processos que levam ao sucesso. O sucesso, portanto, está na jornada do aprendizado e aperfeiçoamento — algo que está sob o seu completo controle — e não no resultado final em si.

É claro que o mundo não é maniqueísta, apenas preto e branco. Pessoas podem ter diferentes mindsets para diferentes contextos, acreditando mais na sua capacidade de crescimento em alguns contextos do que em outros. A mensagem aqui não é a de que qualquer pessoa pode fazer qualquer coisa. Mas é necessário concordar que as pessoas são capazes de ir muito além do que elas podem imaginar, uma vez que ainda não colocaram seus limites à prova (submissão ao risco de errar).

Você já notou o quão comum é determinarmos um intervalo de tempo que indicará se conseguirmos ou não ser bem sucedidos no que estamos buscando? Ou seja, o tempo é fixo (possui uma data limite), enquanto o sucesso é variável (dar certo ou não). Mas nós deveríamos sempre imaginar o contrário, de que o sucesso acontecerá, e o que irá variar para cada um é a quantidade de tempo que pode levar para atingir o objetivo. E geralmente é um tempo muito menor do que imaginamos quando estamos nos expondo constantemente ao limite pela dupla testagem & erro.

O mundo não se divide entre sucessos e fracassos, mas entre quem cresce nos erros, e quem não cresce. Só podemos chamar de perdedor alguém incapaz de refletir e tirar proveito dos seus erros. Pessoas que preferem se constranger, vitimizar, terceirizando a culpa — e com ela, o protagonismo — e permanecer em defensiva, não se aperfeiçoando.

“Muitas dos fracassos na vida vêm de pessoas que não perceberam o quão próximas estavam de bem-sucederem quando elas desistiram”

- Thomas Edison

Obrigado, erros

Os conceitos de mindset de crescimento, a antifragilidade, e nosso modo de aprender através dos erros estão intrinsecamente relacionados. Eis a frase que abre o livro Antifrágil, de Nassim Nicholas Taleb:

“O vento apaga a vela e energiza o fogo. E o mesmo vale para a incerteza, o caos, os erros: você quer usá-los, não se esquivar deles”

Reparem a definição do autor para o termo:

“Algumas coisas se beneficiam com os impactos: elas prosperam e crescem quando são expostas à volatilidade, à aleatoriedade, à desordem, ao estresse, e adoram a aventura, o risco e a incerteza. Na falta de uma palavra para nomear o oposto exato de frágil, vamos chamá-la de antifrágil.”

A antifragilidade é a condição de todos os sistemas naturais (e complexos), como nossas faculdades cognitivas. Faz parte — portanto — do nosso aparato biológico. Assim como um corpo privado de exercícios resulta em atrofia muscular, privar nosso aprendizado da aleatoriedade, dos estressores, dos erros, o danificará. Devemos aprender a amar os erros — ou pelo menos uma certa classe deles — como veremos a seguir. A exposição aos erros nos tornará aptos a lidar com o desconhecido. Seremos capazes de fazer coisas, ainda que não a compreendamos perfeitamente. Isso não apenas nos fará crescer, mas nos ajudará a aceitar o papel necessário e fundamental dos erros para nossa história, individual e coletiva, seja na política, na ciência, no sistema evolutivo (sem pequenos erros não haveria variação genética) e, em especial, nos estudos. Perceba: evitar pequenos erros torna mais graves os grandes erros.

Rafael, eu percebi que você mencionou “certa classe de erros”. O que isso quer dizer?

É que na categoria das coisas frágeis, os erros costumam ser raros, mas grandes e irreversíveis. Enquanto no lado oposto, na categoria antifrágil, os erros são frequentes, porém pequenos e reversíveis, portanto, benignos porque são abundantes em preciosas informações.

Peguemos como exemplo o funcionamento das vacinas, que usam variações de um método desenvolvido desde 1798 por Edward Jenner. O corpo humano é exposto a pedaços de proteína do vírus, ou ao próprio vírus morto ou enfraquecido. Isso faz com que o organismo produza células defensoras (glóbulos brancos ou anticorpos) para combater o organismo invasor (vírus inoculado). Esse processo de aceleração precoce da geração de anticorpos, aliado a memorização das características do vírus nas nossas células, causa uma sobrecompensação de anticorpos no nosso organismo, o tornando apto a reagir prontamente quando em contato com o vírus em sua versão mais letal. Resumidamente: exposição precoce a um pequeno erro, sobrecompensação — afinal não apenas o corpo se preparou para um vírus enfraquecido, mas para uma versão mais potente — e por fim, imunidade, ou fortificação da capacidade defensiva.

Analogamente, assim também é com nosso aprendizado. Na medida em que nos expomos a exercícios, simulados, à variabilidade de assuntos e tipos de questões, somos igualmente expostos ao erro. E diferentemente do dia de um concurso, onde o erro é uma régua a separar os aprovados dos reprovados, os erros cometidos na preparação para o concurso ou prova final são bússola, ou fontes abundantes de informação de onde devemos e podemos melhorar. De forma surpreendente uma porção significativa de alunos comete o pecado mortal do estudante: não realiza simulados, exercícios, práticas ou provas anteriores suficientemente. E isso torna seus erros raros e irreversíveis (no dia D e na hora H: onde a prova é régua).

“Nossa maior fraqueza está em desistir. A maneira mais eficiente de bem-suceder é quase sempre tentar só mais uma vez”

- Thomas Edison

Se você quer crescer enquanto estudante, ou mesmo na vida em geral, lembre-se: a dor, o erro, e suas consequências, deveriam ser sinônimos de informação. Sabe o velho clichê de não se comparar com os outros? É um jogo de você. Você no presente comparado a uma versão de você do passado. É sobre fazer progressões guiado pela detecção e correção dos erros. É sobre focar no que está sob o seu controle. É sobre a importância do risco e o poder da persistência.

O tripé da educação é ensinar, aprender e AVALIAR.

Quer entender como aplicar a avaliação como ferramenta para o crescimento diante dos erros? Cole conosco.

Referências:

--

--

--

Quando sonho às vezes me lembro de como voar.

Love podcasts or audiobooks? Learn on the go with our new app.

Get the Medium app

A button that says 'Download on the App Store', and if clicked it will lead you to the iOS App store
A button that says 'Get it on, Google Play', and if clicked it will lead you to the Google Play store
Rafael Moraes

Rafael Moraes

Quando sonho às vezes me lembro de como voar.

More from Medium

HOW A UNIFIED CREATIVE VISION DELIVERS RESULTS AND ELEVATES HUMANITY

Vintage Sweater Clips — 3 Reasons to Collect and Wear Them

Moving to Germany from a Developing Nation

This is going to be a lengthy diatribe about the minutiae of the design of one small element of a…